ALEX HONWANA QUARTETO: 5 outubro

Alex Honwana nasceu em Moçambique onde começou a estudar piano clássico ainda muito novo. Com uma grande paixão por harmonia e improvisação, rapidamente abriu o caminho para o mundo do jazz. Já com um vasto percurso no "jazz scene" português, desde os festivais, clubes, bares e cafés de jazz aos casinos do Estoril, Espinho e Póvoa onde desempenhou um papel importante como músico e como director artístico. Para além dos projectos a solo e do seu quarteto habitual, Alex Honwana tocou também com nomes fluentes do jazz português, tais como: Manuel Marques, José Fidalgo, Jorge Madureira, Pedro Malagueta, Mónica Ferraz, Giovani e Tuniko Goulart, Laurent Filipe, Massimo Cavalli, Carlos Mendes. Abrindo o ciclo de jazz do Subscuta, a acompanhá-lo estarão o guitarrista holandês Richard Okkerse, o contrabaixista Pedro Cravinho e o baterista Holandês Koen van Esche, para apresentar um repertório de standards tradicionais.

Alex Honwana - piano & voz
Richard Okkerse - guitarra
Pedro Cravinho - contrabaixo
Koen van Esche - bateria

dia 5 de outubro (sexta-feira) - auditório da biblioteca municipal de barcelos
bilhetes. €3

9 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
subscuta disse...

Agradecíamos que não colocassem mais comentários sobre assuntos não relacionados com o festival Subscuta ou com a música dos artistas que nele participam. Os comentários neste "post" foram todos apagados por entendermos que existem instâncias próprias para o efeito que não o blog do Subscuta. Muito obrigado.

Anónimo disse...

não deixa de ser positivo que a informação passe mesmo que não seja o local adequado. estamos a falar de coisas sérias.
mas fico por aqui.

939410096 disse...

Alertar para os perigos tem sempre lugar. É um acto de responsabilidade cívica.